É indiscutível que a água é de extrema importância para a sobrevivência da sua horta, podendo a sua privação (stress hídrico) afetar o desenvolvimento das plantas nas diversas fases de crescimento. Perceber do que se trata é meio caminho andado para a resolução do problema. Assim, aqui ficam algumas explicações sobre o responsável número 1 pelos falhanços na Horta.

Stress hídrico nas plantas: em que consiste?

Em termos biológicos, o conceito de stress hídrico consiste no stress sentido pelas plantas, devido à ausência de água suficiente para garantir as suas necessidades, impedindo uma hidratação correta que garanta o seu bem-estar. Um outro dado importante a ter em conta, é que o stress hídrico não afeta da mesma forma todas as plantas. Verifica-se que cada tipo de planta requer uma quantidade mínima de água para sobreviver e que, por essa razão, quando esse valor se encontra abaixo do indispensável, a planta já não consegue germinar ou desenvolver-se corretamente.
Vejamos: as plantas xerófitas, como por exemplo os cactos, estão habituadas a climas semiáridos e desérticos (áridos). Isto significa que não irão reagir da mesma forma à falta de água como as plantas hidrófitas, como a lotus por exemplo. Ou seja, enquanto as primeiras sobrevivem bem com pouca água, as segundas são mais sensíveis à falta dela, sofrendo mais facilmente episódios de stress hídrico.

Assim, o stress hídrico é um fator que pode influenciar a sua Horta de forma negativa. Uma vez que reduz a atividade fotossintética da planta, condiciona o seu desenvolvimento e, em situações prolongadas no tempo, pode até levar à sua morte.

Para minimizar os possíveis danos decorrentes deste acontecimento biológico, preste especial atenção à fase reprodutiva da planta, um dos períodos mais críticos para a ocorrência de stress hídrico. A acontecer, irá prejudicar a produção das células reprodutoras e por consequência afetar a capacidade de reprodução da planta, impedindo a continuidade da espécie. Uma das primeiras consequências é o fecho dos estomas (pequenas estruturas nas folhas das plantas cuja principal função é a realização das trocas gasosas).

Algumas consequências que deve ter debaixo de olho

  • A velocidade de germinação diminuiu;
  • A área foliar das plantas torna-se menos proeminente;
  • As raízes ficam muito alongadas ou, caso não encontrem água, atrofiadas;
  • As folhas adquirem uma tonalidade verde escura;
  • As cutículas presentes nas folhas (“espécie” de cobertura de cera que ajuda a que a planta não perca água para o meio ambiente, através da evapotranspiração) ficam mais espessas; As folhas acabam por “envelhecer” mais rapidamente, caindo com mais facilidade.
Stress hídrico: o principal responsável pelo insucesso da horta

Sub-irrigação, a resposta certa para este problema

Uma das soluções para minimizar o impacto do stress hídrico nas suas culturas pode passar pelo uso do método de sub-irrigação. Utilizar um prato por baixo do vaso pode ser uma solução, ou uma cama de cultivo com sistema de sub-irrigação integrado. Um sistema como o da Horta Noocity, do tipo auto-rega, garante que as plantas consigam aceder à água corretamente e de forma eficaz, a qualquer instante. Este método, impede que o solo “encharque”, garantindo uma boa drenagem do excesso de água e garante a oxigenação das raízes, evitando o seu apodrecimento.