As sementes são embriões vivos que contêm toda a nossa história e tradição alimentar assim como (convém lembrar) o seu futuro. Além da data de validade e da forma de conservação há algumas informações que deve ter em conta na hora de escolher que sementes plantar na sua Horta. Aqui fica uma breve introdução ao maravilhoso mundo das sementes!

Sementes com história

Um estudo realizado nos Estados Unidos da América (EUA) em 1983, contabilizou 544 variedades diferentes de Couve, 288 de Beterraba, 158 de Couve-flor e 55 variedades de Rábano. Infelizmente, durante o sec. XX, perdemos cerca de 94% das sementes de diferentes variedades de vegetais. É caso para dizer que não são só os Pandas, os Ursos Polares ou os Rinocerontes estão em vias de extinção no nosso planeta! Observar, preservar e trocar sementes autóctones e ancestrais é, além de poético, uma forma de conservar a biodiversidade do nosso planeta, de obter culturas mais resistentes, desfrutar de sabores únicos e garantir a saúde do nosso organismo.

Escolher as sementes certas para a horta

Sementes de Polinização Aberta

A maior parte das sementes são resultado da Polinização Aberta, um cruzamento natural de espécies que acontece por via da polinização feita por insetos, pássaros, ventos ou outros mecanismos naturais. O resultado são plantas geneticamente mais diversificadas cujas sementes podem ser plantadas com a garantia que crescerão fiéis às suas origens.

Sementes híbridas ou de Polinização Controlada

No início do sec. XX as sementes começaram a ser vistas como uma commodity. A Indústria Agrícola lançou-se, então, na polinização controlada de variedades de plantas com as características desejadas para gerar culturas mais uniformes e resistentes. Estas sementes, que anunciavam “maiores e melhores” colheitas, cumpriam a promessa, na primeira colheita, aumentando efetivamente o rendimento e a produtividade. O problema surge na segunda geração da planta, que pela instabilidade genética se torna de traços imprevisíveis, obrigando à aquisição de sementes novas a cada plantação.

Escolher as sementes certas para a horta

As famosas OGM (Organismos Geneticamente Modificadas )

À medida que a ciência Agrícola foi evoluindo, começaram a surgir as primeiras sementes geneticamente modificadas. Manipuladas em laboratório, cruzam não só espécies próximas, mas também reinos biológicos diferentes.
Com 63% do mercado de sementes dominado por 6 grandes empresas que, coincidentemente ou não lideram 75% do mercado de Agroquímicos, a diversidade genética vem-se perdendo, já que Agricultores de todo o mundo recorrem a estas sementes OGM.
Com ¾ da produção mundial de alimentos a recorrer a 12 plantas e 5 animais diferentes, a diversidade do mundo natural e o acesso a uma variedade de sementes com diferentes características e resistências fica comprometida. Fora que, com cerca de 30.000 espécies diferentes de plantas comestíveis existentes no planeta, talvez fiquemos a perder o melhor da festa!

Quais escolher, então?

Se quiser comprar sementes, procure idealmente sementes de certificação Biológica e de polinização aberta, além de produzidas de acordo com os padrões da Agricultura Biológica não são geneticamente modificadas.  Também pode optar por guardar as suas próprias sementes e trocar espécies com vizinhos e amigos! Nos frutos, encontra as sementes prontas a utilizar, uma vez completo o ciclo de crescimento e amadurecimento do fruto, retira-se facilmente as sementes de Malaguetas, Pimentos, Abóboras ou Courgettes. Nos Rabanetes, espere até que tenham dado flor e retire as pequenas favas que aparecem no caule, as sementes estão no seu interior. Com o Feijão, espere até que as vagens sequem (ainda na planta) e guarde os feijões que encontra dentro delas. É importante guardar as sementes, bem secas, num frasco de vidro etiquetado (com o nome e data de recolha) num local escuro e seco.